terça-feira, 26 de julho de 2011

Para matar a saudade



Queridos Confrades e Confreiras,
Não poderia deixar de registrar em nosso grupo a visita que fizemos ao casal Betinho Chahaira e Rosa, em Bela Vista do Paraíso, Paraná, na semana passada. Esse programa foi o pagamento de uma promessa que há, aproximedamente, 30 anos fizemos ao Beto, em sua despedida do Rio de Janeiro, quando ele foi aprovado no concurso para o Banco do Brasil e firmou sua residência em Bela Vista. A oportunidade surgiu agora, quando o Fabio se aposentou e ao comentar com ele sobre essas situações de aposentaria, lembramos do Beto (já aposentado) e da antiga promessa de visitá-lo. Papo vai, papo vem, resolvemos concretizá-la e assim fizemos.
Embarcamos para Londrina e lá fomos recebidos pelo casal. Antes de nos dirigirmos a Bela Vista, fomos apresentados a uma choperia, especializada em comida árabe (é claro!!) e entre umas folhas de uva e pastinhas, tomamos alguns litros de chop. Assim, assinamos o cartão de boas vindas. Desnecessário registrar que fomos gentilmente convidados a nos retirarmos do local, loja de shoping, porque os garçons passavam bocejando, gentilmente perguntando se poderiam trazer a conta etc. Sem alternativa, fomos para o 'Betinhomóvel' e rumamos a Bela Vista, nosso destino.
Chegamos a casa do casal e a Rosa, ainda não familiarizada com seus hóspedes, caiui na besteira de dizer "sintam-se à vontade, como se estivessem em casa", não houve tempo de arrependimento. Estava dito. Claro que obedecemos ao pé da letra.....
Primeiro registro negativo: após longo tempo de afastamento, tinha que ter uma pegadinha.... o Beto, de sacanagem, me colocou para dormir no quarto vago de nossa sobrinha: Letícia. Um 'antro' de b-o-t-a-f-o-g-u-e-n-s-e. Um castigo.... me vi num verdadeiro 'canil'..... cercado de símbolos horrorosos.... me coçando todo..... entendi logo porque a 'Brenda' , mascote da casa, quando Letícia está em casa, se apressa em deitar naquela cama - seu habitat - tentei negociar uma troca e eles foram irredutíveis. Seria o preço a pagar... uma verdadeira tortura, que merece registro e repulsa. Mas resisti, heroicamente. Passado o choque, fui pensando.... e entendi que não seria de todo ruim, afinal, quem sabe se o Senhor não me enviou àquele lar com uma missão? De redimir uma jovem... minha estada naquele resinto poderia 'exorcisar' o mal, e 'limpar' o ambiente. Entendi que a minha missão seria pu rificar àquele ambiente com a alma rubronegra e deixá-lo em condições para a sobrinha Leticia, quando retornar, sentir-se mais leve e aliviada do mal de ser botafoguense, transmitido pela genética de seus pais. Afinal, ela é inocente nessa questão.
Mas, não parou por aí. Acordando no dia seguinte, de uma noite mal dormida, ao arrumar algumas coisitas em cima de uma bancada, reparei, ainda sonolento, no espelho acima da bancada, um plástico desprentesiosamente colado com os seguintes dizeres: "Morro de saudades de..... São Paulo". Foi a gota dágua. Fiz um verdadeiro escarcéu: chamei o Fábio (como testemunha) e o casal e desabafei: "Quarto e cama de botafoguense, ainda posso suportar (depois de registrar minha repulsa), mas, quarto de botafoguense com plástico de 'saudades de S. Paulo.....' é muito..... vou dormir na sala.... no banheiro... aqui não fico". Percebendo o meu estado de desespero, Rosa, rindo, me acalmou.... "Calma,...." e o Beto, mais uma vez, demonstrou a velha amizade: "Isso não... jamais faríamos isso com vocês... Leia de novo...", mais calmo, comprovei que eles tinham razão, a ordem certa da escrita era: strong>"Saudades de Morro de São Paulo"..... ufa!!! um alívio. Não necessitei do médico que eles estavam quase providenciando. Algumas cervejas foram suficientes para voltar à normalidade.
Fomos ao café da manhã.... Rosa, uma verdadeira anfitriã, fez tudo para nos agradar. Embora desacostumada, ainda, com o nosso jeitinho carioca, imediatamente resgatado em Beto, após algumas horas de reaproximação. Apesar dos diversos tipos de pães, frutas e outros acepipes deliciosos, fizemos um 'pacto'correiadutrano, ao qual o Chahaira imediatamente se incorporou, sem que Rosa se apercebesse, de delicadamente 'denunciar' que "sempre faltava alguma coisa..."..rsrsrs.... logo no primeiro dia, após Rosa deixar vazar, inocentemente, que achava o seu café ótimo, passamos, TODOS OS DIAS, a comentar que nunca havíamos experimentado um fabuloso café igual aquele, MAS.... estava faltando: ovos fritos......rsrsrsrs.... no dia seguinte, os ovos se apresentaram, MAS...não havia 'granola'....rsrrsrs..... ela começou a desconfiar da pequena sacanagem programada, pedia socorro ao Beto, que cinica mente, se possicionava ao nosso lado (mesmo correndo o risco de ter uma esposa brava ao lado.... ), não tardou acusarmos a ausência do bolo de milho.....rsrsrs... Por fim, ao findar nossa estada, no último dia, tivemos um café 'cinco estrelas'... até melancia apareceu...rsrs.... e, claro, não faltou o nosso comentário: "mas com caroços????"   rsrsrsrs...... Obrigado Rosa, pela paciência e pelo humor. Obrigado Chahaira, pela velha cumplicidade. Beijo ao casal.
Após o laudo café, no primeiro dia, fomos apresentados aos mais intímos amigos do casal. Papo agradável, conversa fiada e quando a noite chegou, já estavámos enturmados e o freezer vazio.
No segundo dia rolou um mocotó..... muito especial. Os amigos retornaram e, entre muitas cervejas, o papo ficou mais liberal e participativo. Olha gente, com aqueles amigos, o Chahaira não precisa de inimigos. Eu e Fábio assistimos uma verdadeira sessão de pega-no-pé da Rosa....rsrsrsrs....... entre outras coisas, eles demonstravam a 'ciumeira' por estarmos lá e botaram pra fora, entre algumas provocações: "poxa, precisou vocês virem aqui para podermos ser recebidos com mocotó", "ainda não conhecíamos a casa do Beto" , "amanhã vai ter churrasco, cuidado quando colocar carvão, vai acordar os morcegos"..... e outras pérolas....rssrs... até um 'toldo' que protege a área da churrasqueira do vento frio dessa época serviu para as provocações: "poxa, Rosa, esse toldo não tinha.... vocês mandaram colocar por causa deles?", claro, que  tudo fizemos para amenizar a situação, por exemplo, após os comentários sobre o toldo, acrescentei: " Fabio, agora dá para entender porque a Rosa estava apagando com redutor a frase escrita no toldo 'Bem vindos cariocas', quando chegamos...."  . Rosa ficou apavorada com a rápida cumplicidade reinante...rsrs
O terceiro dia foi o ápice. Beto programou um churrasco regado a 'roda de samba'. Tomamos o ótimo café da Rosa. Passamos a tarde de papo, beliscando e bebendo, preparando o espírito. Fim de tarde, começam a chegar os pagodeiros, cantores, ritmistas e agregados. Como nos velho tempo, rapidinho 'casa cheia'. Surdo, repiniques de mão, tamborim, pandeiros, banjo, cavacos e violão. E ninguém fez feio. O samba, realmente, é universal, tinha até japonês no samba. Entre tira-gostos, churrasco, cervejas e um J.W. 12 anos, o movimento rendeu atá 04:00 h. Para vocês entenderem o espírito generoso e anfitrião de Rosa e Beto, ás 04:00 h, quando só havia brasa na churraqueira e Beto já mais prá lá que prá cá, assim como os demais, o 'quórum' era somente do casal e seus hóspedes e três pagodeiros que findavam a retirada dos instrumentos. Rosa percebeu que o Beto e os pagodeiros não foram à mesa onde a janta (complementos do churrasco) haviam ficado expostos à noite toda e detectou que eles estavam com fome. Como os pagodeiros iriam de carro para Londrina (não passariam pela Lei Seca, garanto) deveriam comer alguma coisa para diminuir o teor alcoólico. Não conversou, esquentou o arroz e preparou pratos para o Beto e os pagodeiros. Meio sem graça e surpreso com o improvável tratamento, eles relutaram em não dar trabalho e um deles, afim de 'brincar' com Rosa e justificar a 'falsa falta de apetite', fez um gracejo:"só se fritar um ovo...." (parece até que eles sabiam de nosso pacto.....rsr), mas ele foi novamente surpreendido, não esperava a reação da Rosa. Sem tirar o sorriso do rosto, ela fritou dois ovos para cada um, inclusive para o Beto, e de forma incontestável fez os respectivos pratos. Eles tiveram que se dobrar.... e o Beto,  obedecer.....rsrsrsr.... Por esse exemplo, vocês começam a entender porque o Chahaira não retornou ao Rio, foi em Bela Vista que ele colheu a Rosa de sua vida.
Nos dias seguintes nos dedicamos mais a colocar o papo em dia e a matar as saudades. O Fabio, nosso fotógrafo, passou o maior sufoco. Foi tirar uma foto da Igreja e numa primeira tentativa, não conseguiu (ele é ateu!!!) a pilha da máquina pifou e rodamos Bela Vista de ponta à ponta mas não conseguimos repor...  e olha que andamos a cidade diversas vezes. Acho que gastamos um total de longa meia-hora nessa empreitada.... Conseguimos contornar o problema em Londrina, quando lá retornamos para jantar com o sobrinho Bruno, filho do Casal. Nosso fotógrafo conseguiu, posteriormente, fazer umas boas fotos. Detalhe: como o Tadeu, quarto mosqueteiro, não pode nos acompanhar, registramos uma foto do São Judas Tadeu que fica na entrada da Igreja...rsrsr.
Sobre a cidade, conhecemos a frente e os fundos da Igreja (não no mesmo dia, é claro.), o Banco do Brasil, onde Beto trabalhou, a avenida Central, algumas portas de fazenda  e outros lugares típicos. Mas, o que mais nos chamou a atenção, e foi registrado em fotos: os postes de distribuição de energia elétrica colocados NO MEIO DA RUA, das principais avenidas. A dúvida, ainda em pesquisa, é se servem como redutores de velocidade ou para 'divisão' de pistas???? o Chahaira ficou de responder.
A sacanagenzinha de saideira, ficou à conta de nosso útlimo dia em Londrina. Resolvemos deixar uma pequena lembrança a Rosa, por seu carinho, atenção e paciência conosco. No Shoping, compramos uma garrafa de sua vodca preferida (para repor o estoque), enquanto o Beto e ela nos aguardavam no mesmo restaurante árabe de quando chegamos, nos aproximamos da mesa, oferecemos o mimo e enquanto ela abria, ficamos de pé e cantamos em alto tom "parabéns prá você"....rsrsrs... Não adiantou ela tentar dizer ao garçom conhecido que não era o seu aniversário, ele não acreditou e a  abraçou lhe desejnado 'muitos anos de vida  etc.' . Quando ela entrou no 'clima', pedimos para chamar o gerente e conseguimos um belo copo de chop como presente da casa, após os devidos parabéns da gerência...rsrsrsrs
Tería muito mais assunto para comentar, o que tornaria o texto mais longo. O que procurei nessa resenha, foi dividir com vocês 'os melhores momentos' do pagamento de nossa promessa e a confirmação de que se justifica plenamente a fixação de nosso irmão Beto Chahaira em Bela Vista do Paraíso. Ele e Rosa formam um casal harmonioso, que se completam e se amam. É transparente o carinho, o cuidado e o respeito que cada um tem com o outro. O nome 'Rosa' não é ao acaso, é uma alusão à plantinha do amor que deve ser regada todos os dias para não secar, e eles formam um belo par de jardineiros. Ficamos emocionados, de verdade, ao nos despedirmos no aeroporto. Foi muito rápido, quando reina a harmonia, o tempo passa depressa.
Paga a promessa, espero que possamos refazer esses momentos em outras oportunidades. Como o Tadeu disse-me em certa ocasiâo: "Não é a distância que afasta os verdadeiros amigos".
Por fim. MUITO OBRIGADO, Beto e Rosa, pela recepção, pela amizade, pelo carinho, por tudo. Amamos vocês.
Obrigado Fabio, pela amizade de sempre e pela companhia. Foi muito bom compartilhar esses momentos com você, e agora com os demais.

Beijos em todos,

Byra

8 comentários:

Beto Chahaira disse...

Queridos irmãos Bira e Fábio,
A visita de vocês foi um dos melhores presentes que recebemos nos últimos tempos.
Muita alegria, lembranças, piadas, gozações, churrascos, fotos, discussões, comes e bebes (muitos bebes), pagodes, enfim, foi bem "Correia Dutra" !
Acho que o Bira não esqueceu nada em sua resenha e foi até extremamente gentil em suas avaliações. Como sempre foi comigo!
A Rosa ficou muito emocionada com suas palavras e agradece a gentileza, do fundo do seu coração!
Esperamos estar em breve aí, não só com vocês, mas com toda a "Família da Correia".
Beijos,
Beto Chahaira e Rosa.

Drinks e Kibe disse...

Drinks&Kibe não poderia deixar de registrar momentos tão marcantes como este.
Byra, como o bom escritor que é, sabe como ninguém, em poucas palavras, expressar sentimentos que traduzem o principal objetivo de nossa confraria, ou seja, a amizade pura, simples e duradoura.
Parabéns para vcs e para todos nós, pois assim podemos também matar as saudades de uma grande amigo que apesar de fisicamente distante, está com lugar cativo em nossos corações e mentes.

J Drinks disse...

Ao amigo Fábio:

Vc, que agora é um ilustre aposentado, e que gosta de viajar, poderia seguir nessa linha e visitar nossos amigos mais distantes, como por exemplo:
Tuta, Cecé e Bibaca, em Campos;
Reginaldo e Serginho Pequeno, na Bahia (essa até eu vou);
Junior e Manga, no Ceará (tb quero ir)
Peixe, em São Paulo;
Gaguinho, em Macaé;
Cheio de Pulga, em Araruama;
o Velho Derze, em Saquarema; e quem sabe, até mesmo
a Rose, na Alemanha e o
Puck nos States

e tem mais por aí ...

bjundas presidenciais
(um dia eu vou)

Rose disse...

Fabio,

vou deixar aqui meu convite para voce... o nosso presidente manda e desmanda na Embaixada da Correa Dutra na Alemanha, em Frankfurt am Main... está convidado e pode trazer 1 acompanhante, que tem um colchao de casal num quanto separado te esperando e estendo o convite ao Amigos da Correa...

Meu abraco e beijocas, saibam que serao muito bem vindos...

Rose

Cece disse...

Campos não e tao longe, vocês podem organizar uma excursão. E só avisar pra dar tempo de esconder bandeiras, camisas, canecas, chaveiros, posteres e etc do Flamengo. A cachorrinha mando pintar o pelo para as cores originais. No aguardo, bjs...

Letícia Chahaira disse...

Que coisa linda! Não tenho muito o que dizer... só não posso deixar de registrar minha enorme admiração por vocês...pela amizade...pela reciprocidade...pelo carinho...e assinar, concordando plenamente em como é gostoso ver o amor cheio de companheirismo dos meus amados pais! Tenho fé e rezo todos os dias pedindo muita luz para a recuperação do singular e fortíssimo tio Byra...muita calma, resignação e pensamentos positivos a toda família e amigos! Vai passar e ele ainda vai "choooorar" muito de saudades do Betinho Chahaira...(pra quem não lembra, essa foi a frase que eu mais ouvi no meu primeiro encontro com ele :"´Letícia, eu choooorei quando seu pai foi embora..." ...hahahahaha) Uma figura. Adoro vocês e tenho certeza que vai passar, logo... a recuperação está pra chegar. Fé, sempre! Estou com vocês, se precisar de qualquer coisa aqui no Rio viu tio Zé drinks:! =) beijinho da sobrinha botafoguense, Letícia Chahaira

Drinks e Kibe disse...

Letícia

Agradecemos sua presença e suas palavras. O Byra, como vc bem conheceu possui 3 qualidades insuperáveis: FORTE, TEIMOSO e CABEÇA DURA, tanto que já está saindo da UTI para o quarto bem mais rápido do que qq prognóstico.

Remeta nosso bjo para o Betinho e todos vcs.

Drinks & Kibe

Byra disse...

Zé,

Resposta do Fabio sobre as fotos.

Por oportuno, corrija o email do Fabio.

Gostei muito da montagem no blog, a composição com as fotos disponíveis ficou muito boa. Parabéns.

Abçs

Byra