quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Tributo ao Selarón

Conheci o Selarón há 27 anos, assim que montei o estúdio. Ele já estava na Lapa há uns 2 ou 3 anos... Iria fazer uma exposicão de seus quadros. Na ocasião ele não tinha dinheiro algum para fazer o evento! A gráfica que fez os folhetos, fez uma permuta com alguns dos seus quadros. 
Eu estava começando, queria fazer portfólio e me prontifiquei a fazer o trabalho gratuitamente. Na foto principal do catálogo, retratei-o segurando um magnífico quadro em sépia retratando a fachada do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e mais algumas fotos dos quadros que iriam entrar na exposição, na época não havia digital, fiz tudo em película PB!
Durante o trabalho ele havia me perguntado qual dos quadros eu havia gostado mais... Certamente respondí que era o da Fachada do Teatro Municipal! 
Um belo dia (depois que a exposição terminou) alguém bate a porta do estúdio, não estava aguardando ninguém, quando olhei pelo “olho mágico”, ví que era o Selarón com um quadro na mão. 
Primeira coisa que passou pela minha cabeça era que ele havia levado mais uma ou mais telas para fotografar. Quando abrí a porta para a minha surpresa ele estava segurando a Tela do Teatro Municipal, e ele simplesmente falou com seu sotaque carregado... Levitano... Este quadro é o mais bonito da exposion e ele é seu!!!! 
Fiquei emocionadíssimo claro, este quadro até hoje está na sala da casa da minha mãe em local de destaque. Daí em diante fotografei para mais algumas vezes para exposições, ou simplesmente quando queria fotografar algum quadro de destaque que vendia para alguém do exterior, ele ia ao estúdio para que fizesse a reproducão. 
Volta e meia me presenteava com um quadro. Além dos quadros que me deu tenho um “quadro Cartão de Natal”, tipo 20x 25 com uma dedicatória. Por outra ocasião ele me deu um caderno pautado com “roufhs” de quadros que iria pintar ou havia pintado. 
Há uns 2 anos atrás fiz um ensaio fotográfico com ele e coloco no face para vcs verem. Infelizmente não deu tempo para fazer uma foto que lamento muito não tê- la feito... Seria fotografa- lo segurando o mesmo quadro (do Teatro Municipal), na mesma posicão, porém com os trajes que costumava andar ultimamente, 27 anos depois... 
A vida me ensinou que quando vc tem uma boa idéia para produzir uma boa foto, faça HOJE, pois ninguém sabe se será possível, faze-la depois... Os degraus da Escadaria Selarón ficaram órfãos. Originalmente a escadaria era basicamente nas cores verde e amarelo, em função de uma das Copas do mundo, ocasião que começou esta obra... posteriormente ele foi acrescentando ladrilhos vermelhos nas laterais, que recebia de doações ou comprava do mundo inteiro. Talvez tenha escolhido o Vermelho por chamar atenção, talvez pela paixão que tinha pelo Brasil, pela nossa gente ou pelo amor que tinha pela sua arte... Amor não, paixão, VERMELHO PAIXÃO, que nas entrelinhas de quem conheceu o Selarón parece que ficaram mais esmaecidas, como se o tempo desse uma ”meia trava”, falta um último ladrilho, uma última varrida na escadaria, o sotaque carregado do “Maior del mundo” como costumava falar, falta SELARÓN! Morreu na escadaria ateando fogo no próprio corpo, como se escadaria e artista se fundissem em 1, indivisível agora pela eternidade. 
Tributo aos sépias, que tingem os restaurantes da região, aos vermelhos, verdes e amarelos, residentes agora eternamente na Escadaria da Lapa. na Escadaria do Selarón.

(Carlos Levitanus - fotógrafo e confrade)

7 comentários:

Luiz Claudio disse...

Não poderia deixar de comentar este texto. Aliás, um depoimento de um artista falando de outro.
Me atrevi então, a falar um pouco sobre a arte que emana do espírito - assim consta na Constituição Brasileira, quando confere o direito de autor àquele que cria uma obra de arte.
Carlos nos sensibiliza com seu depoimento, principalmente por identificar na obra de Selarón, algo que ia muito além do que sua curta história entre nós nos mostrou.
As tragédias com os artistas geniais, sempre deixaram marcas - espíritos inquietos no exercício da criação e na luta contra seus próprios demônios.Selarón, não foi diferente. Mas vi nas fotos de Carlos, uma luz (objeto de desejo de todos os fotógrafos)diferenciada, que ultrapassa a materialidade do papel e nos mostra a alma do "modelo". Modelo de homem, que ao "restaurar" o cenário das escadarias da Lapa, criou para esta cidade, mais um marco de referência turística. Selarón, deixa de ser, então, um artista local, mesmo sendo um estrangeiro, para se tornar um artista universal - título conquistado pelo seu talento.
Parabéns Carlos, por seu registro visionário e por nos mostrar com arte, a imagem que deve ficar na memória de todos os brasileiros que amam a arte em todas as suas representações.
A Correa Dutra agradece também, por saber que entre nós, mais um artista de talento se revela entre tantos outros que por ali passaram e passarão. Eu....como diria o poeta, passarinho!

Ricardo Pirulito disse...

Grande Levitanus,
Me emocionei.
Forte abraço,

Ricardo

Byra disse...

Galera,

Conheci a Escada do Seleron quando retornei de Juiz de Fora para o RJ . Curioso com a transformação da Lapa em "point", levei o meu filho pra conhecer o local e lá me indicaram a Escada.... Fiquei fascinado com a obra, uma verdadeira galeria e ponto de encontro da juventude carioca. Passei a divulgar o local aos amigos e a cobrar a visitação. Fiquei realmente encantado. Como os demais cariocas, fiquei (estou) muito triste com a morte de Selerom. Uma grande perda para todos nós. MAS CONTINUO RECOMENDANDO A VISITAÇÃO À ESCADARIA. QUEM AINDA NÃO CONHECE NÃO PODE PERDER A OPORTUNIDADE DE CONHECER. É UMA VERDADEIRA OBRA DE ARTE POPULAR.

ABS
BYRA

Kibe disse...

Só tem um detalhe importantíssimo. Quando forem visitar, procurem ir de dia, durante a semana e de preferência em grupo, pois a presença de turistas têm atraído alguns marginais para a área.

Fui.

Kybe.

Calinhos Levitanus disse...

Kybe
Não é mais necessário isto! A polícia municipal montou acampamento na escada! Foi preciso que o Selarón morresse para que o poder público faça sua obrigação

Levitanus (Carlinhos)

Kibe disse...

Valeu Carlinhos!

Tive esta recomendação na semana passada e fico feliz em saber que está seguro. Devo ir lá na semana que vem para fotografar.

Abs.

Claudio Kybe

Carlinhos Levitanus disse...

Kybe
Se for dê uma passada no meu estúdio, mas ligue antes para saber se estarei lá. Rua Teotônio Regadas, 26/ 802. Tels: 2242-9337 ou 8111- 6633.
Um abração...

Carlinhos