segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O catecismo de Carlos Zéfiro


   Quem dos jovens senhores não leu ou pelo menos ouviu falar de Carlos Zéfiro? Leitura proibida na década de 60 e que alguns poucos tinham um exemplar em casa. Escondido e muito bem escondido. Ter mais de um exemplar, então, era um luxo e consequentemente um risco maior da mãe encontrar. Perigossímo! 
   Sedentos leitores do “catecismo zefiriano”, que possuía uma bibliografia com mais de 500 títulos, fomos iniciados na arte dos quadrinhos eróticos. Apostila de didática sem igual povou o imaginário do público masculino com suas históricas que beiravam a pornografia, mas que de certa forma continham um “que” de ingênuo, no que diz respeito a estrutura da narrativa.
   Não sei se alguma das jovens senhoras já leu algum título de Zéfiro, por isso, Drinks&Kibe faz uma homenagem àquele que foi o responsável pela “educação sexual” alternativa de boa parte da rapaziada daquela época e traz um pouco de sua biografia, para que todos o conheçam.

Quem foi Carlos Zéfiro? 

   Carlos Zéfiro é o pseudônimo do funcionário público brasileiro Alcides Aguiar Caminha (Rio de Janeiro, 25 de setembro de 1921 - Rio de Janeiro, 5 de julho de 1992) com o qual ilustrou e publicou, durante as décadas de 50 a 70, histórias em quadrinhos de cunho erótico que ficaram conhecidas por "catecismos”.
   Alcides Aguiar Caminha, carioca boêmio, ilustrou e vendeu cerca de 500 trabalhos desenhados em preto e branco com tamanho de 1/4 de folha ofício e de 24 a 32 páginas que eram vendidos dissimuladamente em bancas de jornais, devido ao seu conteúdo porno-erótico, ficando conhecidos como "catecismos" e chegaram a tiragens de 30.000 exemplares.

Biografia 

   Casado desde os 25 anos, com Dona Serat Caminha teve 5 filhos e sempre escondeu de toda a família sua atividade paralela de desenhista e aposentou-se como funcionário público do setor de Imigração do Ministério do Trabalho. Sua identidade somente se tornou pública em uma reportagem da Revista Playboy que foi publicada em 1991, um ano antes de sua morte.
   Autodidata no desenho e concluinte do curso de segundo grau somente quando tinha 58 anos, manteve o anonimato sobre sua verdadeira identidade por temer ter seu nome envolvido em escândalo o que lhe traria problemas por se tratar de funcionário público submetido à Lei 1.711 de 1952 que poderia punir com a demissão o funcionário público por "incontinência pública escandalosa" e retirar os proventos com os quais mantinha a família.

Carreira

   Os "catecismos" eram desenhados diretamente sobre papel vegetal, eliminando assim a necessidade do fotolito, e impresso em diferentes gráficas em diferentes estados da Federação, gerando, inclusive, diversos imitadores. Em 1970, durante a ditadura militar, foi realizada em Brasília uma investigação para descobrir o autor daquelas obras pornográficas. Chegou-se a prender por três dias o editor Hélio Brandão, amigo do artista, mas a investigação terminou inconclusa.
   Além de seus trabalhos como ilustrador, Alcides Caminha foi compositor, inscrito na Ordem dos Músicos do Brasil e parceiro de Guilherme de Brito e Nelson Cavaquinho, com quem compôs quatro sambas para a Mangueira, entre eles os sucessos: Notícia, gravado por Roberto Silva na década de 50, e A Flor e o Espinho.
   Em 1992 recebeu o prêmio HQMix, pela importância de sua obra. Após sua morte teve um trabalho publicado como homenagem póstuma em 1997 na capa e no encarte do cd "Barulhinho Bom" da cantora Marisa Monte. Em 1998, as vinhetas de abertura e intervalos do Video Music Brasil 1998, da MTV Brasil foram claramente inspiradas nos folhetins de sua obra.
   Em agosto de 1999, em Anchieta, bairro em que morava, foi inaugurada a Lona Cultural Carlos Zéfiro, com show da Velha Guarda da Portela e Marisa Monte. A cantora e o jornalista Juca Kfouri, que revelou a verdadeira identidade de Carlos Zéfiro nas páginas da Playboy, são os padrinhos da Lona Cultural, fundada e dirigida por um grupo de artistas locais, que tinha à frente Adailton Medeiros. 
O traço original de Zéfiro
Títulos

Acerto | Alba | Alice | Aline | Amigos | Amor | Amor à Três | Andréa | Ângela, a Professora | Anjo Mau | Asa Sul | Assaltante, O | Atleta

Bacana | Bailarina | Benta | Biruta | Boas Entradas | Bom Começo

Carlos e Leda | Carnaval | Carnaval 1 | Carnaval 2 | Carona 1 | Carona 2 | Castigo, O | Célia | Celita | Cientista, O | Cínia | Clara 1 | Condessa, A | Conselheiro, O | Conselhos Quadrados | Copacabana 1967 | Criada, A | Cura, A

Decisão | Degraus da Vida | Desastre 1, O | Desastre 2, O | Desforra, A | Despedida | Destino 1 | Destino 2 | Desvario | Diana, a Sacerdotisa | Difícil, A | Dilza | Divórcio 1 | Divórcio 2 | Domada pelo Sexo 1 | Domada pelo Sexo 2

Edy | Encontro, O | Entrevistador, O | Escolhida, A | Estupro | Eu e Leda 1 | Eu e Leda 2 | Eu e o Coroa | Eu Fui Hipie 1 | Eu Fui Hipie 2 | Eu Fui Hipie 3 | Eu Fui Hipie 4

Família | Farsa | Faxina | Férias de Amor 1 | Férias de Amor 2 | Filho do Diabo, O | Fim de Trauma | Flora | Formatura | Frutos Proibidos | Fugitivo, O

Garçonete | Gata | Gilka | Golpe do Baú 1 | Golpe do Baú 2 | Golpe do Baú 3

Helen | Hélia | Hotel dos Prazeres

Índia, A | Irene | Íris | Irmã da Índia, A | Ivete

Janaina | João Cavalo (este foi seu maior sucesso) | João Cavalo na Fazenda | Júlia | Julinha

Kátia

Lagarto, O | Laura | Lealdade | Leda | Lia | Lili | Lua de Mel 1 | Lua de Mel 2

Mara e o Pintor | Margô | Maria, a Proibida | Maria Lúcia, a Capixaba | Marina | Mauro 1 | Mauro 2 | Medo | Mestra, A | Meu Primo 1 | Meu Primo 2 | Minha Vida no Convento | Modelo

Nayá | Néa, a Aeromoça | Negra | Negrinha, A | Nélia | Nilda | Nilza | Nora | No Reiro | Noviço, O

Odaléa

Parafuso e a Mulher Biônica | Parceira | Passeio | Pato, O | Pecadora | Pensão | Pinicada, A | Pinta, A | Prefeita | Promoção | Proteção | Pudor | Pupila 1, A | Pupila 2, A | Putas Também Gozam, As

Quem é o Pai?

Resgate, O | Reveillon | Robinson Crusoé Século XX | Robinson Moderno

Safari | Seca | Semi-Virgem | Senhoria | Sítio, O | Strip-Tease | Suzete

Tânia | Tarada | Tarzan | Tentação | Titia | Titio | Trem de Luxo 1 | Trem de Luxo 2 | Troco, O | Tuca

Último Estalo, O

Vedete | Vera | Viagem | Vida Amorosa de Dorian Gray | Vida, Paixão e Morte de um Sofá | Vingança, A | Viúva 1 | Viúva 2 | Viúvo Alegre | Vizinha, A

Xexéu

Zelma 1 | Zelma 2




Fonte: Drinks&Kibe e http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Z%C3%A9firo

3 comentários:

Byra disse...

Valeu moderadores, isso é que considero eficiência: levantamos a bola e o 'Departamento de Pesquisas do Drinks & Kibe'imediatamente complementa - "com louvor" - os temas abordados. Nessa biografia só faltou destacar o caráter didático e iniciático das publicações - muito mais eficaz que o atual adotado na Alemanha (é só comparar as cartilhas). Quantos calos nas mãos!!! É preciso também comentar que a maioria dessas revistas, rasgavam fácil devido a má qualidade do papel (publicações piratas) que, com o passar do tempo, não suportavam a ação de ficar desgrudando as páginas que insistiam em ficar coladas... rsrsrsr
Que tire a primeira pedra quem não as leu e as usou...rsrsr

J Drinks disse...

Não gostava muito desse cara:

"ELE SEMPRE ME DEIXAVA NA MÃO!"

Cornwall disse...

tinha uma trilogia chamada O NAMORO, O NOIVADO e AS TRANSAS... nunca mais encontrei.