segunda-feira, 24 de outubro de 2011

63/.../75 DIAS – 13 dias de casa. Cada dia melhor.



13
dias de casa.  Cada dia melhor. Cada dia mais forte, mais ágil, mais falante e claro, mais palavrões. A primeira dificuldade é a natural adaptação a uma nova situação. Cadeirante, e sem condições de se locomover sozinho, é uma fase em que a ajuda da família é fundamental e é o que ele mais recebe nesse momento. Em paralelo, a peregrinação para o INSS. Cada dia um carimbo novo, uma assinatura diferente, um caminho difícil, burocrático, em oposição à necessidade de quem precisa. Todos nós envolvidos e somente dez dias depois tudo se resolve. Enquanto isso o Byra se supera. Conversa melhor, se alimenta com mais desenvoltura e sua memória está cada vez mais ativa. O ombro e a perna ainda são problemas e seu médico, Dr. Antero, diz que ele tem que agüentar e que no momento a preocupação maior é em acertar seu tratamento neurológico.  Seu lado esquerdo está comprometido, precisa de fisioterapia direcionada antes de qualquer cirurgia. Os bancos fazem parte de uma outra aventura. Alguns dificultam mais, outros menos, e o próprio Byra toma a dianteira. Junto com Érika vai na agência e mesmo com algumas dificuldades resolve a situação. É uma vitória. Alguns drinks e o Byrão dorme tarde na comemoração.
Sábado, 15 de outubro, uma comitiva em sua casa. Grupo de charuteiros o visita. São vários companheiros que o presenteiam com um legítimo cubano. Uma baforada e uma surpresa.  Chega Dr. Antero e acaba com a festa. Nada de tumulto, nada de álcool e nada de charuto, pelo menos por um bom tempo.   
Uma semana depois, 74 dias de sua nova vida.  Arrisca alguns passos e almoça em um restaurante perto de casa. Reclama de alguma dificuldade com a mão esquerda. Está cada vez mais consciente de suas limitações e mostra disposição para enfrentá-las. No domingo, sua preocupação foi com o futebol. Juntos fizemos uma simulação para o Campeonato.  Sorri a cada resultado que prevê para a sua mulambada. E para campeão não poderia ser outro senão o próprio Flamengo, que apenas escrevo como uma homenagem à sua própria vitória. Foi uma tarde ótima, que além de nossa visita, eu e Sonia, do Byrão e Helena, a "boadrasta", outros amigos apareceram, mas sem charutos, claro. Agora se prepara para iniciar a fisioterapia e manda um recado:
- Zé, avisa o pessoal que estou em casa, podem vir que eu estou por aqui...
Agora a história é também com vocês.  Um telefonema, uma vista, um cartão e em muito breve, um email, com certeza o fará mais feliz.  Não vamos deixar de escrever, mas vamos deixá-lo avançar um pouco mais e dentro de alguns dias voltaremos com notícias, sempre melhores, pois cada dia será sempre melhor do que o anterior.            

5 comentários:

José Luiz (CSol) disse...

GRANDES NOTICIAS ZÉ. AOS POUCOS O MUNDO VAI ENTRANDO NOS EIXOS. FALA PRO BYRA QUE A FORÇA DO PENSAMENTO O LEVARÁ ONDE DESEJA. (MENOS AO CAMPEONATO CLARO). MANDA UM ABRAÇO, CONTINUAMOS NA TORCIDA DA ARQUIBANCADA !!

J Luiz

Guilherme.´. disse...

Temos um Irmão muito querido e prestativo, do qual tenho me servido para ajudar a outros Irmãos e que conhece bem o Byrão, lotado na Procuradoria do INSS aqui no Rio. Se vc precisar me fale que ligarei p/a casa dele ou para o Instituto. TFA e CAM.

Guilherme

Jorge Luiz (JFA) disse...

Saudações.

Parabéns a todos pelo avanço alcançado.

Falei com o Norival Ramos que também trabalhou no Material em Juiz de Fora e ele pediu o telefone do Byra.

Há tempos atrás Norival também foi atropelado por moto aqui em JF. Após um tempo com problemas, se recuperou e ficou sem sequelas. Dirige e faz de tudo, inclusive bebe e come muito.

Melhoras continuas até a recuperação total.

Nelson Andrade.´. disse...

Que o GADU abençoe a todos vocês.

Receba um Trip.: Frat.: Abr.:


Nelson Andrade

Pedrinho.´. disse...

Acabei de falar ao telefone com o nosso irmão Byrinha e ele está cada vez melhor e se recuperando bem, inclusive, muito feliz por estar em casa, podendo ver a sua televisão, usar o computador e principalmente falar ao telefone com os irmãos e amigos, o que o deixa muito feliz.

Assim, solicito aos irmãos que liguem para o Byrinha.

Pedro