segunda-feira, 6 de outubro de 2008

O dia mais feliz da minha vida


Certa vez fui solicitado a escrever sobre “o dia mais feliz de minha vida”. O que parecia ser uma redação simples, confesso que me deixou um tanto confuso. A primeira idéia que veio na minha mente, com certeza foi talvez a mais comum, ou seja, foi o dia em que eu nasci. Mas será que realmente foi este o meu dia mais feliz? Ou será que este foi um dia muito mais feliz para outros do que para mim? Sinceramente não sei, pois parei para pensar e descobri que além deste dia, que não deixa de ser de grande felicidade, mas que não guardo nenhuma lembrança, tive outros dias também felizes, e cada um deles com suas razões, com seus motivos, e que num primeiro momento, não teria como mensurar se um era o mais, ou o menos feliz do que o outro.
Apesar da idade, ainda me recordo de momentos de minha infância, de minha primeira escola, dos primeiros amigos, de uma menina loirinha, no primário, que um dia me puxou pelos braços para perto dela e fez despertar um sentimento que até então não conhecia. Disse na época, para mim mesmo, que era o dia mais feliz de minha vida. Mas o tempo não para, e outros dias viriam.
Aos 15, fiz uma pequena reunião para os amigos, comemoração com cuba-livre e guerra de bolo. Uma bagunça para não mais esquecer. Naquela noite comentei com amigos que aquele era o dia mais feliz de minha vida. Mas o tempo continua rolando, e muita coisa mais viria a acontecer.
Namorava uma jovem que a fiz mulher, e no leito, entre um orgasmo e outro, falávamos juntos que aquele seria o melhor de nossos dias. Mas também passou. Outros orgasmos vieram, novas namoradas, mas aquele dia ficou guardado, reservado com a alegria e a felicidade que marcaram aquele momento.
Era um estudante normal, mediano, e passei aos 18 anos para a Faculdade de Engenharia. Recebi a notícia numa roda de pôquer com amigos que me viram soltar um berro de felicidade. Um deles não se conteve e falou que aquele deveria ser o dia mais feliz de minha vida. Poderia ser, mas como compará-lo com aqueles outros? Cada um deles teve uma importância diferente para mim e continuava difícil definir dentre eles o mais importante, o mais feliz.
Momentos e tempos diferentes, uma difícil comparação, e que a eles se juntaram outros de igual importância. A formatura, com pequeno atraso, devido a alguns entraves no caminho, não poderia ficar de fora, assim como o dia do primeiro emprego, que seguiu a linhagem ferroviária da família, ambos foram fatos inesquecíveis.
O casamento, como não poderia deixar de ser, foi um marco. Realizado de forma um tanto repentina, motivado por uma transferência para o interior, foi fruto de uma ligação de muitos anos com uma pessoa amada. Na realidade, uma relação de tão antiga, parecia um tanto desgastada, mas que sempre se superava e renovava, coroada pela felicidade do nascimento de nossos filhos. Momentos lindos. Dias tão importantes que seria difícil deixar de não elege-los como os mais felizes de nossas vidas. Mas como poderia distinguir um do outro? Fato que me leva a pensar: será que se mais filhos tivesse, cada um destes dias seria mais importante que o anterior?
Nessa linha de pensamento, minha redação parecia não ter um fim. Não conseguia definir qual seria o dia mais feliz de minha vida. Uma coisa era certa, o de amanhã é incerto, porque simplesmente não sabemos como será o amanhã. Os dias de ontem, maravilhosamente variáveis, diferentes, cada um com sua importância e beleza relativas, impossível de escolher um, sem pensar nos demais. Então me veio a resposta para esta questão. Uma resposta simples, como simples devem ser as soluções dos grandes desafios. Se não são os dias de ontem, e também não sei se serão os de amanhã, só me resta uma opção: o dia mais feliz de minha vida é simplesmente este que estou vivendo HOJE, com a lembrança de tudo que já passou, com o prazer de estar entre parentes e amigos fiéis, e com a esperança de que dias melhores sempre virão. Não tenho mais dúvidas, HOJE é o dia mais importante e mais feliz da minha vida.

4 comentários:

Drinks&Kibe disse...

Zé,

Também já me perguntei, quais foram os anos mais felizes de minha; e vi que minha infância foi bem diferente das dos meninos de hoje. Vivi minha infância entre morar na Corrêa Dutra, na zona sul do Rio e passar alguns dias de férias na Rua Soares, no Méier, na casa de minha avó.

Se aqui na zona sul, eu tinha a praia, lá eu convivia com o jeito suburbano de ser. Soltava pipa (ciência que nunca aprendi - talvez por isso preferi me dedicar a fazer cerol), jogar bola na ladeira de paralelepípedos, fazer e soltar balão (meu primo até hoje faz isso), subir em árvore pra pegar manga e jamelão, caçar passarinho e depois soltar, porque meu avô não gostava que prendesse os "bichinhos", ficar sem tomar banho até começar a escurecer; e depois de tomar banho, jantar a comida que minha avó fazia, delícia! Comida de vó é sempre deliciosa...pelo menos era no meu tempo. Feijão, arroz, bife e batata frita (feitos na gordura de côco Carioca - ainda existe?) e um ovinho com a gema mole pra molhar o pãozinho que o padeiro deixava lá, em sua bicicleta com uma grande cesta de vime, recheada de bisnagas e pãozinho francês.

De manhã cedo, acordava com o cheirinho de café (que eu não gostava), mas sabia que minha avó tinha preparado um prato com mingau de Cremogema. Meu avô, lia o Correio da Manhã e eu ficava por ali, esperando que ele acabasse para eu ler as tirinhas do Pinduca e do Reizinho.

Passava uns 10 dias lá e depois voltava pra zona sul. Cheio de novidades pra contar pros meus amigos da zona sul. Dias felizes.

Esta sua redação, Zé, deve servir de tema pra todos nós. Há alguns anos atrás, me perguntei se todas as alegrias que vivi, se todos os momentos de felicidade valeriam a pena hierarquizá-las. Nem quis pensar muito, pois ainda espero ter muitas alegrias pela frente. Revendo meus amigos de mais de mais de 40 anos de vivências e lembranças, de ver os filhos de meus filhos nascerem, crescerem e se multiplicarem...é Zé. Este tema vale mais do que uma redação. Vale o livro da vida de cada um.

Sejamos felizes... Dias melhores pra sempre!

Claudio Kibe.

Drinks e Kibe disse...

Kibe

Se ninguém mais postasse, o que eu não acredito, diria que suas palavras seriam suficientes para justiciar nossa parceria.
Voce entendeu perfeitamente a mensagem que gostaríamos de trasnmitir, ou seja, o convite para que cada um venha e deixe aqui, preservado neste espaço, um pouquinho de si mesmo.
Suas lembranças junto às nossas, remontarão os tempos já passados, solidificarão uma amizade tão decantada e com certeza serão uma sólida base para um futuro melhor.
Obrigado, meu amigo, por suas palavras e vamos aqui, juntos, aguardar a chegada dos demais.
"Drinks for ever"

Drinks&Kibe disse...

ZÉ DRINKS, NÃO SABIA QUE, ALÉM DE BIRITEIRO IRRECUPERÁVEL, VOCÊ É UM EXCELENTE ESCRITOR.
PARABÉNS !!!!!!!!!!!
COM CERTEZA,EXISTEM MUITAS LEMBRANÇAS NAS NOSSAS VIDAS , MAS ALGUMAS FICAM REGISTRADAS PARA SEMPRE. VOCÊ E O KIBE TB, COM CERTEZA, LEMBRAM DAQUELAS VIAGENS PARA ALÉM PARAÍBA PARA PASSAR O CARNAVAL.
EM ESPECIAL, UMA DELAS FOI MUITA MARCANTE. VAMOS AOS DETALHES :

- FOMOS PARA LÁ, EU, V, QUIBE, VIEIRA, MAURINHO( QUE SAUDADES, JURO, TO CHORANDO AGORA )ZÉ FRANGUINHO, FERNANDO TCHONA, GATINHO E OUTROS QUE INFELIZMENTE AGORA NÃO LEMBRO;

- FICAMOS NA CASA DO SEU PRIMO QUE ESTAVA EM OBRAS, UM ABONADO, ACHO QUE DENTISTA, DE ALÉM PARAÍBA. LÁ TINHA 1 DOBERMAN PRETO QUE FICOU PRESO NA ÁREA DEBAIXO DA CASA ENQUANTO FICAMOS LÁ. ATÉ QUE UM DIA, NÓS PREOCUPADOS COM O KIBE QUE TINHA DESAPARECIDO, OLHAMOS PARA O QUINTAL E, COMO TODOS ESTÁVAMOS BÊBADOS, ACHAMOS QUE TINHA APARECIDO MAIS 1 CACHORRO. QUE NADA, ERA O KIBE DOIDÃO, CRIOLO E DE SUNGA PRETA ACARICIANDO O DOG !!!!!!! NÃO SEI QUAL ERA A INTENÇÃO ??????;

- FOMOS PARA O MELHOR CLUBE LOCAL E PAGAMOS UM INGRESSO PARA PASSAR O DIA. LÁ COMPRAMOS TODO O ESTOQUE DE SALGADINHOS, " MIXTO QUENTE " ( ABAIXO EU EXPLICO AS RETICÊNCIAS ) E CERVEJA DO BAR !!!!!!!! ; OS SÓCIOS DO CLUBE FICARAM " PUTOS "
POIS TODO O ESTOQUE ERA NOSSO TODOS OS DIAS DE CARNAVAL. ELES NÃO CONHECIAM A POTÊNCIA DA NOSSA GALERA !!!!!!!!!!

- A NOITE FOMOS PARA O MELHOR CLUBE DA CIDADE PARA O BAILE DE CARNAVAL. LÁ ERA PERMITIDO ENTRAR COM QUANTAS GARRAFAS DE BIRITA, DESDE DE QUE PAGÁSSEMOS UMA TAXA,. NÃO PRECISA DIZER QUE O NOSSO ESTOQUE ERA O MAIOR DO BAILE;

- PARA FACILITAR LEMBREM, QUEM ESTEVE LÁ, QUE EM FRENTE TINHA TRILHOS POIS O TREM LOCAL PASSAVA DURANTE O DIA TRANSPORTANDO MERCADORIAS. NO CLUBE TINHA 2 AMBIENTES DE BAILE . NO 1º ANDAR FICAVA O BAR E AQUELAS MARCHINHAS DE CARNAVAL TRADICIONAIS. NEM PRECISA DIZER QUE O ZÉ BIRA NÃO PASSOU DESSE ANDAR. NO 2º ERA BAILE AO VIVO COM BANDA E MUITO EMPURRA / EMPURRA;

- BEM, O BAILE TERMINAVA LÁ PELAS 5DA MANHÃ E ÓBVIO TODOS TINHAM QUE SAIR POIS O CLUBE TINHA QUE SER FECHADO. MAS O ZÉ BIRA, SEMPRE ELE, SE RECUSAVA POIS NÃO TINHA AINDA ACABADO DE BEBER TODAS AS " FILHINHAS " ( BEBIDAS QUE ELE TINHA LEVADO PARA CONSUMO DELE )E FIVA DEBRUÇADO NA VARANDA DO CLUBE AMEAÇANDO SE JOGAR SE OS SEGURANÇAS NÃO DEIXASSE ELE ACABAR COM AS " FILHINHAS " PARA DEPOIS SAIR. E AÍ NÓS TODOS BÊBADOS, JÁ LÁ EM BAIXO EM FRENTE AO CLUBE, ROGÁVAMOS " SE JOGA SE JOGA SE JOGA " E O ZÉ SÓ AMEAÇANDO PARA QUE OS SEGURANÇAS PERMITISSEM QUE ELE ACABASSE COM AS FILHINHAS DELE !!!!!!!!!!

- EM UMA DESSAS NOITES, A SÔNIA QUE ESTAVA NA CASA DA TIA DO ZÉ FOI EMBORA MAIS CEDO DO BAILE COM AS PRIMAS DELE. NÃO SEI PORQUE RAZÃO FOMOS PARAR DE MADRUGADA NA CASA DA TIA DE ZÉ, ACHO QUE PARA PEGAR A CHAVE DA CASA, ENFIM NÃO LEMBRO BEM.
E AÍ VEM O MELHOR DA HISTÓRIA, O ZÉ COMPLETAMENTE BEBADO ESTAVA APAGADO NO CARRO. A SÔNIA APARECEU NA VARANDA DA CASA PARA FALAR COM O ZÈ, MAS NINGUÉM QUERIA FALAR COM ELA QUE ELE ESTAVA TOTALMENTE DE PORRE, EMBORA ELA COM CERTEZA NÃO DESCONHECESSE ESSA VIRTUDE DELE. DE TANTO ELA INSISTIR EU E O VIEIRA LEVANTAMOS O ZÉ E LEVAMOS PARA FALAR COM ELA. ELE ROGAVA ME DEIXE DORMIR. E EU O VIEIRA INSISTIMOS " ZÉ A SÔNIA QUE FALAR CONTIGO E ELE, INSISTIA, QUE SÔNIA, QUE SÔNIA, NÃO CONHEÇO NENHUMA SÔNIA. COLOCAMOS ELE DE FRENTE PARA ELA QUE CONTINUOU NA VARANDA E DISSEMOS, ZÉ A SÔNIA AQUELA ALI, E ELE " UMA FERA " !!!!!!!!!!

- NA CASA EM QUE FICAMOS, DO ABONADO PRIMO DO ZÉ, ESTAVA SENDO REFORMADA E A DESCARGA DO BANHEIRO ESTAVA QUEBRADA. ENTÃO O COMBINADO ERA : QUEM FOSSE AO BANHEIRO TINHA QUE JOGAR UM BALDE DE AGUÁ PARA FAZER A " DESCARGA " .
PORÉM, COMO TODOS FICAVAM QUE NEM A RÁDIO GLOBO, " 24 HS NO AR " DE TANTA BIRITA, NEM SEMPRE FAZIAM O COMBINADO, OU SEJA JOGAR ÁGUA NO VASO PARA LIMPAR AS " CAGADAS E MIXADAS ".
ATÉ QUE NUM BELO DIA, COMO NOSSA REFEIÇÃO MAIS HABITUAL DURANTE AQUELES DIAS ERA O " MIXTO QUENTE " QUE COMÍAMOS NO CLUBE O VIERA GRITA DE DENTRO DO BANHEIRO DEPOIS DO ZÉ FRANGUINHO TER SAÍDO E NÃO TER JOGADO O BALDE DE ÁGUA , GALERA O ZÉ CAGOU UM " " MIXTO QUENTE " INTEIRO !!!!!!!!!!

PQP QUE MEUS AMIGOS NÃO TEM PREÇO ESSA LEMBRANÇA TUDO FEITO NA MAIOR PAZ SEM VIOLÊNCIA , SEI LÁ NÃO TENHO MAIS PALAVRAS !!!!!!!!!!!

BJS EM TODOS !!!!!!!!

AMARO

Drinks e Kibe disse...

Querido Amaro, o Ridículo (não me canso disso)

Apesar de agradecer suas palavras, veja se manera em outras histórias para NÃO QUEIMAR MAIS MEU FILME, PÔ...

Mas para demonstrar nossa imparcialidade, KibesEtDrinks vai postar seu comentário, pois acreditamos que outros personagens poderão enriquecer nossas lembranças (sem queimar mais o meu filme)

um bjunda no fundo ...do seu coração e "drinks for ever"